O governo sírio, a embaixada equatoriana e o futuro de Julian Assange

Publicado: 3 de setembro de 2012 em internet
Tags:,

Por Roberto Almeida, publicado originalmente no Opera Mundi/Título original: “Assange prevê deixar embaixada em 1 ano e confirma vazamentos de emails da Síria”

O fundador do Wikileaks, Julian Assange, refugiado na embaixada do Equador em Londres desde o dia 19 de junho, disse nesta quinta-feira (30/08), em entrevista à rede multiestatal Telesur e à equatoriana Gama TV, que deve ficar de “seis a 12 meses” na representação diplomática, onde espera solução para o impasse sobre seu salvo-conduto. Ao mesmo tempo, segundo ele, o Wikileaks continua trabalhando e “está em processo de publicar 2,4 milhões de e-mails do governo da Síria”.

“Temos uma perspectiva interna”, disse. “É óbvio que potências ocidentais estão usando os problemas sírios para se livrarem da oposição política no país a mando de Israel e a fim de enfraquecer o Irã”, afirmou o jornalista australiano. Ele reiterou que está sofrendo “perseguição política”, assim como o Wikileaks, por expor milhares de documentos confidenciais. “Se você for contra os Estados Unidos, algo de ruim vai acontecer com você”, disse.

Assange é esperado na Suécia para responder a alegações de estupro, mas teme que uma extradição ao país possa desencadear uma segunda extradição, desta vez para os Estados Unidos, onde responderia por supostamente vazar documentos do Exército norte-americano sobre suas operações no Iraque e Afeganistão.

No dia 17 de junho, o presidente do Equador, Rafael Correa, concedeu asilo político a Assange e, ao mesmo tempo, enfureceu os governos de Suécia, Reino Unido e Estados Unidos. O fundador do Wikileaks nega as acusações. Seus advogados, que buscam vias jurídicas para conseguir o salvo-conduto, afirmam que não há garantias do governo sueco para um julgamento justo.

Assange disse acreditar que uma solução diplomática é possível para que obtenha liberdade, mas não descartou algum evento imprevisível de porte mundial, como uma guerra com o Irã, o resultado das eleições nos Estado Unidos ou, ainda, um eventual recuo do governo sueco, que poderia desistir do caso – hipótese mais provável, de acordo com o jornalista.

Embaixada

Enquanto isso, ele continua no prédio da embaixada do Equador em Londres, na região de Knightsbridge, com acesso à internet, cama e chuveiro. Ativistas fazem vigília em frente à representação diplomática desde junho para registrar a movimentação policial. Há menos de um mês o governo britânico ameaçou prender Assange dentro da embaixada, com base em uma lei local de 1987. O intento foi rechaçado pela OEA, Alba e Unasul, que pediram respeito à Convenção de Viena, garantidora da inviolabilidade do imóvel diplomático.

O chanceler britânico William Hague, que descarta o salvo-conduto a Assange, disse ontem que uma decisão está longe de ser tomada e que as conversas diplomáticas com o Equador continuam. Durante a entrevista, o fundador do Wikileaks agradeceu novamente ao governo equatoriano por sua decisão de conceder asilo.

“Em um contexto mais amplo, o Equador tem sido correto em mostrar seus valores nesse caso. Não só em me conceder asilo, mas também ao conceder asilo àqueles que merecem – tem a capacidade econômica de fazê-lo. E também por ter dado um passo adiante ao defender meus direitos, porque meus direitos são correlatos aos valores que o Equador quer projetar”, afirmou Assange.

Assista aqui à primeira e à segunda parte da entrevista de Assange.

Leia também:

A intransigência britânica no caso Assange (ou sobre o temor dos poderosos)

EUA já têm acusação pronta contra Assange, revela vazamento do Wikileaks

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s